13/05/2017

Não acredito em entedimento


Eu podia escrever no título dessa postagem um simples "Uma carta para minha mãe", mas ia ficar muito vago, meio infantil e não ia conseguir expressar tudo o que eu sempre paro para pensar nessa época – ainda mais esse ano, não sei porque. Atualizando a bio do meu Instagram e a descrição que aparece no Google quando pesquiso pelo nome do blog, surgiu a ideia de me descrever como alguém que ainda não entendeu como funciona a vida adulta. Depois voltei atrás e imaginei que na verdade ninguém entende perfeitamente ou todo mundo finge muito bem, vai lá se saber.

Num dos episódios da oitava temporada de How I Met Your Mother (e desculpa por falar da série de novo, mas é que só tenho assistido isso, literalmente), Lily e Ted conversam sobre o quanto eles precisam contar a verdade para pessoas que estão intimamente ligadas ao seu redor. Ted não quer contar a Robin que ainda a ama (isso não é spoiler, hein?) e então Lily conta um de seus maiores segredos: a vontade íntima que tem, de só às vezes, poder desistir da maternidade. Passar um tempo fora e esquecer de toda a rotina que a envolve o tempo todo com o bebê. Que mesmo amando o fato de ter originado uma vida, às vezes cansava.

03/05/2017

O que aconteceu | Abril 2017


Esse mês foi uma correria só. Fiquei alguns bons intervalos sem postar e mesmo agoniada com tanto trabalho de faculdade eu não concluí nenhum. No último dia desse mês já começam as provas semestrais e eu não consigo acreditar que logo vai chegar julho e junto dele as minhas férias, tando trabalho quanto da faculdade, finalmente. O planejamento é usar o dinheiro pra tirar a carteira de habilitação e conhecer alguns pontos turísticos de São Paulo, o que provavelmente eu não vou fazer mesmo, mas não custa fingir que sou organizada.

E o mês correu tanto que é o que menos lembro das coisas que fiz. Das coisas lidas e assistidas lembro porque geralmente os guardo em algum lugar, seja no Skoob, Filmow ou favoritos do navegador, já o que aconteceu realmente fica uma incógnita na mente. Ironia para o nome do marcador que categoriza essa postagem? Sim, mas é o que há pra hoje.

29/04/2017

"Porque no meu tempo..."


Nessa última terça-feira eu tive aula da matéria que mais gosto: Jornalismo Digital. Dessa vez o professor explicou como funcionam alguns portais de notícia e a metodologia utilizada por eles e algumas características importantes para que uma mesma notícia seja mais visualizada em site do que em outro. A questão toda dessa introdução é que como atividade no final ele propôs que entrevistássemos uns aos outros partindo de um modelo que ele nos ofereceu dizendo que era uma das melhores formas de iniciar uma entrevista com qualquer pessoa — pelo menos na maioria dos casos.

Tinha uma questão que pedia para responder qual havia sido o maior feito na vida. Eu fiquei em dúvida e imaginei que nunca tinha feito nada. "Bem, se fosse outro tipo de entrevista, eu poderia dizer que nascer foi um feito, porque minha mãe era considerada estéril quando ficou grávida de mim", eu disse, ainda incerta e pensando em outra coisa pra responder no lugar. "E porque não pode ser isso? Nascer já foi uma vitória, o que vier é lucro", meu amigo disse. E lá se foram os papéis entregues ao professor e eu me sentindo vitoriosa por um feito que eu sequer tive tanto envolvimento assim.